Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Além Douro Digital

Informação da Região Norte de Portugal

Além Douro Digital

Informação da Região Norte de Portugal

Morreu Bispo "comunista"!

"Bispo vermelho", "Bispo sem medo" e "Bispo comunista".

D. Manuel Martins, bispo de Setúbal entre 1975 e 1998, morreu hoje, aos 90 anos. Manuel Martins, bispo emérito de Setúbal, morreu hoje às 14:05, acompanhado dos seus familiares.

Morreu bispo vermelho.jpg

A diocese sublinha que Manuel Martins foi o primeiro bispo de Setúbal, nomeado em 1975. Nascido em 20 de janeiro de 1927, em Leça do Bailio, Matosinhos, foi o primeiro bispo de Setúbal, entre 1975 e 1998, de que era atualmente bispo emérito. Aliás, chegou a dizer que era "setubalense para sempre". Há cerca de dois anos, foi alvo de uma homenagem em que até o Papa Francisco lhe enviou uma mensagem escrita: "Por favor, não se esqueça de rezar por mim". Nesta celebração dos 40 anos de ordenação episcopal como primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins recordou os tempos em que os seus discursos mais inflamados na defesa dos desfavorecidos lhe valeram rótulos como "bispo vermelho", "bispo sem medo" e até "bispo comunista". Seria ele a denunciar casos de pobreza extrema, de fome e de desigualdades no distrito de Setúbal, onde terminou o mandato até 23 de abril de 1998. Manuel da Silva Martins estudou no seminário do Porto e, mais tarde, na Universidade Gregoriana, em Roma. Foi pároco de Cedofeita, nos nove anos de exílio do bispo do Porto António Ferreira Gomes (1960-1969), durante o Estado Novo, e foi vigário geral após o regresso do prelado. Em 1975, um ano após o 25 de Abril de 1974, foi o ano da nomeação de Manuel Martins para bispo da diocese de Setúbal, de onde só saiu 23 anos depois, em 1998. Foi presidente da comissão episcopal da Ação Social e Caritativa e da Comissão Episcopal das Migrações e Turismo, etc.

Espanha abre linha férrea no próximo ano

La histórica línea férrea de La Fregeneda será de uso turístico el próximo verano. Uno de los puentes del tramo Fregeneda-Barca D'Alva.

4d865d99-231c-4749-9d2e-23b8f9d8f5df.jpg

Arrancan las obras para rehabilitar puentes y túneles de esta histórica línea férrea para convertirla en itinerario turístico. Durarán diez meses y en junio podría estar listas. Casi tres años después de que la Diputación de Salamanca lo considerara una de sus prioridades, el proyecto para convertir en un itinerario turístico la histórica vía férrea de La Fregeneda se ha puesto finalmente en marcha. El inicio de las obras esta semana ha marcado el pistoletazo de salida para convertir este trazado, declarado bien de interés cultural pero abandonado desde hace décadas, en un recurso turístico. Con el proyecto terminado y en ejecución los detalles dibujan un itinerario turístico en el que concurren elementos patrimoniales, paisajísticos y ambientales por la riqueza de las construcciones ferroviarias, la comarca de Arribes y su fauna y flora. Las obras, que ya han empezado, tienen un plazo de ejecución de diez meses con lo que, si la actuación no se complica, para el próximo verano el nuevo itinerario podría estar abierto. La adjudicación se hizo hace ya unos meses y el tiempo ha seguido corriendo. Ha habido que gestionar todos los permisos de obra con cautela ya que se trata de una zona protegida como parque natural y, además, al época de alto riesgo de incendios algunos trabajos están limitados. No se va a levantar ningún tramo de vía y está comprometido que la infraestructura se conservará. Además, la decisión más importante atañe a los túneles. De los veinte que tiene, dos están habitados por una especie murciélago muy característico del parque de Arribes del Duero. Los servicios de medio ambiente de la Junta han recomendado restringir el paso por los túneles uno y tres, al menos, en determinadas épocas. Para ello, se procederá al cerramiento de los túneles de La Carretera y del Morgado y se habilitarán senderos alternativos para seguir el recorrido cuando estén cerrados; en todo caso, se podrá acceder con permiso del parque. En los túneles se cambiarán dovelas en mal estado y se limpiará parcialmente de excrementos de los murciélagos.  

En diciembre de 2014, el presidente de la Diputació, Javier Iglesias, anunciaba la apuesta por la vía férrea entre La Fregeneda y Barca d'Alva como itinerario turístico. La idea, recuperada de un viejo proyecto que fracasó en 2007, fue anunciada por La Salina con la promesa de una inversión de 800.000 euros para adecuar a su uso turístico los últimos kilómetros de esta vía férrea. El proyecto dio sus primeros pasos entonces, pero entre permisos y la tarea de definir lo que se iba a hacer han ido pasando los meses sin que fraguara porque no hubo empeño y, después, hubo que afrontar una complicada tramitación. En la configuración del itinerario ha habido que tener en cuenta que se trata de un bien protegido, con las aportaciones de las autoridades de patrimonio y de la cuenca del Duero.También ha habido que atender las indicaciones de la propiedad, Adif, que tiene como estándar las denominadas vías verdes, que implican levantar tendido, pero que ha entendido el proyecto necesario para la línea. Y también ha habido que contar con medio ambiente de la Junta, ya que el trayecto discurre íntegro por el Parque Natural de Arribes y había que respetar las colonias de murciélagos presentes en dos túneles. El proyecto completo lo ofreció TRIBUNA en su día tras poder consultarlo. Contempla reponer 500 traviesas tanto en la plataforma como en los puentes y se limpiará la vía para poder circular. Además de limpiar y retirar material que ha caído sobre las vías, se pondrán plataformas laterales en 1.351 metros de ocho de los puentes y 585 metros de plataformas laterales en otros cinco puentes; se repondrán tramos de barandilla que faltan. El objetivo, en ambos casos, es incrementar la seguridad y evitar la sensación de vacío en los puntos donde la falta de tablones abre un abismo bajo los pies. Se desestimó la instalación de 'trames', plataforma de grandes dimensiones que tapa la vía. Además de arreglar plataforma, túneles y puentes, se va a dotar al recorrido de un mínimo equipamiento turístico. En primer lugar, se pondrá señalizaciones advirtiendo de las dificultades y los puntos de peligro, como recomendación, retirando la señalización vieja. También se pondrán paneles informativos de las colonias de murciélagos y con las características, presupuesto original y datos técnicos de los puentes. Por último, se dotará al recorrido de papeleras, bancos, hitos kilométricos y aparcamientos de bicicletas. Afortunadamente, el proyecto está en buenas manos. Concretamente, en las mismas que ya hicieron un primer acercamiento hace una década para intentar que este bien patrimonial no se perdiera por abandono. Desde que en 1985 dejaron de circular los trenes por ella, cayó progresivamente en el olvido y fue presa del deterioro, con lo que encontrarle un uso se convirtió en una prioridad urgente para evitar la pérdida de lo que es una construcción declarada Bien de Interés Cultural, y para aprovechar sus grandes valores turísticos. En 2007 sale a la luz por primera vez un proyecto para recuperar el uso de este tramo de 17 kilómetros de la línea férrea, que en total cuenta con cerca de 80 kilómetros. La primera intentona no funcionó, pero las bases estaban puestas. El punto de partida fue aquel primer estudio y ha sido precisamente la persona que mejor lo conocía quien se ha hecho cargo de su actualización, lo que al final ha sido un éxito. Para adaptar el proyecto a las exigencias de todos los implicados ha habido que emplearse a fondo, pero el resultado es un itinerario turístico único en España. El éxito ha sido total porque, ahora mismo, la vía está más cerca que nunca de configurarse como un trayecto de gran atractivo.

 Entre julio y diciembre de 1897, se inauguraron los tramos de la línea Pocinho-La Fuente de San Esteban; primero se abrieron dos tramos en territorio español y después el portugués. La línea tiene cerca de 80 kilómetros, pero su tramo más interesante es el que une La Fregeneda y Barca D'Alva, de 17 kilómetros. La pretensión de salvar el trayecto del Águeda y su complicada orografía obligó a construir 20 túneles y doce puentes metálicos, lo más característico del tramo. En 1985 se decidió su cierre por falta de rentabilidad, y aunque en 2000 se declaró BIC, no había sido posible recuperar su uso hasta ahora porque oficialmente no es posible transitar, aunque asociaciones como sí impulsado su uso y ha peleado para que se recupere durante todos estos años.

Portugal em “guerra civil”

Há anos que Portugal se debate com o problema dos incêndios. Todos os verões o país entra no outono vestido de luto. Até aos dias de hoje ninguém conseguiu detectar onde esta o epicentro desta “guerra civil” que mata física e psicologicamente muitos dos, ainda residentes, portugueses. Apontam o dedo aos emigrantes que vêm ao seu país em férias e que descuidadamente fazem queimadas negligentes, mas até ao momento ainda nenhum desses cidadãos, que lutam além fronteiras para enriquecer Portugal, foi detido ou condenado por fogo posto. Pelo contrário; são esses os primeiros a estar na linha da frente no combate às chamas. Muitos deles acabam por perder anos de vida de trabalho árduo, mais de doze a catorze diárias, nas chamas que consomem casas e matas.

Guerra civil Portugal.jpg

Portugal tem dois grupos em “guerra civil”: de um lado estão as vítimas dos incêndios e do outro os soldados de “chumbo” que se submetem a ordens milionárias dos seus comandantes. Não se conhecem bombeiros que ostentem quaisquer sinais de riqueza; destes apenas conhecemos sacrifício, dedicação e mesmo a dádiva da vida em prol dos outros. Já dos comandantes, alguns, felizmente que não são todos, saíram da falência para a riqueza após passarem para o comando de corpos de bombeiros ou outros organismos da Protecção Civil nacional. Um lugar que continua a ser politico e não por competência ou formação para o cargo que ocupam. Alguns deles pagam mesmo, mais que uma vez as competências de comando na Escola de Bombeiros. Mas já mais a justiça, que se diz democrática e isenta, deu conhecimento das conclusões dos vários inquéritos que a Polícia Judiciária abriu a alguns comandantes de bombeiros e protecção civil em Portugal. Todos sabemos que a revolução dos cravos de 1974 foi uma “guerrinha” entre oficiais milicianos e oficiais da Academia Militar que levou os militares às ruas até à capital. Aproveitada por aqueles que espreitavam uma oportunidade para se instalar na Republica portuguesa. Se algum dia existiu Democracia em Portugal, pois foi cura de pouca ordem. Todos os anos são denunciados escândalos de corrupção de milhares de milhões de euros, mas os acusados são poucos e quando o são é de pouca monta criminal (Ex: €100.000). Será que se for possível acabar com o favorecimento e corrupção conseguimos minimizar a “guerra civil” dos incêndios? Acordem meu povo! Precisamos de renovar ou mesmo dar inicio a um país para todos os portugueses e não um país de apenas alguns grupos nacionais e estrangeiros que controlam o monopólio das potencialidades económicas nacionais, através de métodos corruptos. Portugal é o nosso país!

Deputado português pede asilo politico para não cumprir prisão.

José Manuel Coelho, deputado da assembleia regional da Madeira, pediu asilo politico ao dono do ilheu da Pontinha para não ter de cumprir uma pena de prisão estabelecida pela justiça de Portugal. O deputado não concorda com a justiça portuguesa, que não lhe atribuiu a imunidade como acontece com os deputados da Assembleia da Republica portuguesa: exemplo o processo Casa Pia, e foi condenado por alegar que Garcia Pereira, membro de um partido de extrema esquerda, pertencia à CIA. Garcia Pereira é preside à Associação Portuguesa dos Direitos dos Cidadãos. Menos neste caso em que está envolvido.

Jose manuel Coelho e dono do ilheu Madeira.jpg

“Venho para aqui, refugio-me aqui, e a polícia da República portuguesa não me pode prender, o mandado de captura aqui não funciona porque isto não é território nacional, isto é um principado independente e reconhecido pelas várias instâncias internacionais e aqui estou a salvo”.

Dono de ilheu.jpg

Já Renato Barros, autoproclamado príncipe do ilhéu da Pontinha, que fica a 70 metros da lha da Madeira, recebeu o deputado de braços abertos e prometeu defendê-lo. “Aqui a polícia portuguesa não entra, só se entrar à força, naturalmente, porque eles sabem que não podem entrar". Único local de Portugal, à semelhança de Olivença, que está em território português, mas mas fora da jurisdição de Portugal.

Fortaleza_do_Ilhéu_do_Funchal,_1883.jpg

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou José Manuel Coelho a uma pena de prisão efetiva, com possibilidade de ser cumprida ao fim de semana, num processo interposto pelo advogado António Garcia Pereira.

 
"Agente da CIA" é preside à Associação Portuguesa dos Direitos dos Cidadãos.
 
António Pestana Garcia Pereira, nasceu em Lisboa, a 14 de novembro de 1952. É um advogado, professor universitário e político em portugal.
A sua carreira académica iniciou-se como assistente da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1975, onde se manteve até 1986. Actualmente, preside à Associação Portuguesa dos Direitos dos Cidadãos.

Garcia Pereira.jpg

Garcia Pereira teve uma participação activa no movimento de contestação estudantil à ditadura. Aderiu à Federação dos Estudantes Marxistas-Leninistas, a juventude do MRPP, em 1972, ano em que assistiu ao assassinato de José Ribeiro dos Santos pela PIDE, num anfiteatro do ISEG. Integrou o movimento associativo Ousar Lutar, Ousar Vencer, tendo sido suspenso e alvo de um processo disciplinar na Faculdade de Direito de Lisboa, em dezembro de 1973. Militante do MRPP desde 1974, chegou ao Comité Central desta estrutura em 1982. Encabeçou diversas candidaturas do mesmo partido, para as eleições legislativas, para as autárquicas em Lisboa, e foi candidato a Presidente da República, em 2001 e 2006.

 
Em Novembro de 2013 foi-lhe atribuído o prémio de "Excelência Política" na gala de prémios da Revista "Mais Alentejo". Só mesmo nesta região de Portugal.

"The withe women" versão portuguesa - Douro

Há alguns anos, um jovem aldeão sonhava enfrentar as mentes atrofiadas dos cidadãos da aldeia para dar lugar a pensamentos mais prósperos e abertos. Tanto mais que o 25 deabril de 1974 já tinha ocorrido há algumas décadas. Como poderia chamar à atenção da população local? Imaginativo, vestiu-se de branco e assediou uns e atormentou outros. Durante várias luas lá aparecia a "mulher de branco" por um período tempo superior a mais de um ano.

gravação-em-Ibitiara.jpg

Numa noite de luar lá pareceu a "mulher de branco" há mesma hora, pela mesma rua da aldeia sobranceira ao Douro. Pois, alguém tinha de tomar a coragem para acabar com o tormento das mulheres, criança e mesmo de alguns homens de mente mais fraca. Foi mesmo o homem coragem, o mais pequeno da aldeia fisicamente (tal como diz o povo: os homens não se medem aos palmos); que naquela rua empinada e local mais estreito esperou a "mulher de branco" de caçadeira em riste. Apanhada de surpresa a "mulher de branco" foi obrigada a destapar-se, sob ameaçada da caçadeira. Espanto do habitante da aldeia duriense: afinal a "mulher de branco" era da sua família e era um homem. Ali foi descoberto e desvendado o enigma da suposta "mulher de branco" que afinal era um homem, mas que gostaria, ou gosta, de se fazer passar por mulher.

O seu sonho!

Depois de desmascarado, o jovem rumou até à Suíça para assim fugir aos olhares críticos da população local que o acusavam de ter sido a "mulher de branco" e outros feitos pejorativos do jovem. No país helvético, o jovem conheceu várias personalidades internacionais, assim como da sua nacionalidade que por lá passaram em momentos de intimidade e lazer; tal com Paulo Portas e José Sócrates, vindo este último a ser Primeiro Ministro de Portugal.

208073_1780133182198_1205478900_31584212_5254237_n

Esta convivência terá levado o jovem, que em tempos assustou a população da sua terra como "mulher de branco", a adrir ao Partido Socialista e a lutar por um lugar politico na sua aldeia. Lutou por um lugar na política e conseguiu. Chegou mesmo ao topo politico na sua aldeia onde um dia assustou tudo e todos, com a intenção que só ele sabe a motivação. O que revela que o jovem se terá transformado ou a memoria do seu povo é semelhante à do peixe.

Assim se podem fazer os presidentes deste Portugal.

Detido com armamento em Tabuaço

Detido na posse ilegal de armas

Militares do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) da GNR de Moimenta da Beira, em colaboração com o Posto Territorial de Tabuaço, detiveram ontem, dia 17 de janeiro, no concelho de Tabuaço, um homem com 53 anos, por posse ilegal de arma.

aprens Tabuaçõ.jpg

A detenção ocorreu na sequência de uma situação de violência doméstica, no âmbito da qual foi efetuada uma busca domiciliária, tendo sido apreendido: Duas caçadeiras; Um revólver; 2,86 quilos de chumbo; 71 munições; 39 cartuchos; Cinco caixas com fulminantes; Uma caixa de pólvora de caça e Uma navalha.

O detido foi presente ao Tribunal de Instância Local de Moimenta da Beira

Produtos do agricultor.jpg

 

Apareceram 500 mil euros na conta bancária!

 Desde finais do século XIV e durante o século XV, os portugueses descobriram um novo mundo para oriente e oeste, sempre no sentido do hemisfério sul. Os países ocupados foram espoliados, chacinados e escravizados, mas os portugueses nunca se redimiram a tão monstruosa barbárie. Só passados cerca de cinco séculos foram obrigados a entregar os países ao seu legítimo povo (Homenagem póstuma a Mário Soares o mais elevado politico ao serviço da descolonização). Mas o sofrimento desse povo espoliado de bens materiais e morais já mais será ressarcido das perdas infligidas pelos invasores portugueses. “Eram pretos”! Diziam os colonizadores. Descendentes desses mesmos colonizadores não se pugnaram, após chegarem à metrópole por expulsão dos países invadidos, em se reorganizarem em grupos, mais ou menos mafiosos, e tentarem espoliar os seus conterrâneos que já mais abandonaram o seu pais e trabalharam arduamente desde o nascer ao pôr do sol, alguns mais de 40 anos, durante uma ditadura politica económica e social.

Campos da justiça.jpg  Hoje, são ainda esses descendentes que têm vindo a espoliar Portugal e os portugueses honesto. Vejamos os grupos instalados que a justiça quer julgar: "Caso Marquês", sem data de inicio de julgamento. "Optapharma" e "Vistos Gold", com julgamento marcado para 13 de fevereiro deste ano 2017, em que mais de uma dezena de arguidos indiciados de vários crimes vinham a ser investigado desde os primeiros meses de 2013. Esta rede de supostos criminosos estava instalada nas mais altas esferas de cargos públicos, desde Ministros da Republica Portuguesas, até ao mais humilde funcionário de balcão de uma agencia finaceira “caseira”. A preciosa colaboração entre as várias polícias e serviços de informação, contaram sempre com a colaboração de vários intervenientes, inclusive de autarcas, foi possível capturar os arguidos que espoliavam estrangeiros em milhões de euros, a troco de uma autorização de livre circulação nos países que fazem parte da Comunidade Europeia.

Soaram as campainhas…

 Era dia 31 de janeiro de 2014 quando foi anunciado, via facebook, que a associação voluntária tinha na sua conta bancária mais de 500 mil euros e em menos de três anos tinha pago uma divida de 48 mil euros, que se vinha a “arrastar” há anos. “Nem todas as instituições estão mal. Há as que têm facturado milhares de euros”. Sendo esta a mensagem publicada na rede social facebook. Tão esclarecedora informação deu a entender aos autores indiciados por corrupção que algo se passava. Estavam a ser investigados! Soaram as “campainhas” na CGD e na instituição bancaria do seu bairro CA. Logo um gerente e o simples empregado de balcão, entre outros quadros de instituições públicas e privadas, reuniram de emergência para fazerem desaparecer o dinheiro que constava da conta corrente da instituição voluntária. Conseguiram? Não se sabe. Apenas é sabido que este valor e outros obrigaram o juiz Carlos Alexandre a viajar até ao Douro para se inteirar dos depósitos.

 A 13 de fevereiro começaremos a assistir a mais uma "novel" que já tem anos de investigação e ira continuar por muitos mais anos, tudo por compromissos politico/pessoais, tal como aconteceu com o processo "Casa Pia", onde quase...quase todos os implicados foram condenados. 

Mário Soares esteve no quartel dos B.V de Alfandega da Fé

"Adeus amigo"!

Quase todos os jornalistas que trabalham ou trabalharam em órgãos de comunicação social de âmbito nacional, tiveram um acontecimento com o Ex-Primeiro Ministro e ex-Presidente da Republica, recentemente falecido, Mário Soares.

mw-1024.jpg

 A minha história com aquele a quem um dia lhe chamaram "animal político" pelos seus feitos pela nação chamada Portugal, ao ser um dos mais altos responsáveis pela implementação da Democracia na sociedade.

Estávamos no ano de 1992, pelo mês de maio, quando em menos de vinte e quatro horas nos encontramos em dois pontos distantes do nosso Portugal. Como jornalista estagiário por essa altura sempre o apoio e carinho de Mário Soares. Será por isso que não tenho medo de todos aqueles que deturparam a democracia em Portugal? 

Mário Soares o sempre socialista e fundador do PS, não era pessoa fanática, mas apenas um democrata moderado e sempre pautou por conviver com todos os amigos, mesmo sendo de outra ideologia política ou religiosa. Foi o que aconteceu em determinado dia do mês de maio, em 1992, sendo ele na altura Presidente da Republica de Portugal, foi jantar a casa da minha estimada madrinha, também jornalista, Helena Sanches Osório e mulher de um "antidemocrata" o major Sanches Osório. Políticas à parte e Mário Soares aceitou o convite para ir jantar à rua daOlivensa, no Estoril. Durante a refeição Mário Soares foi falando das sua tarefas como Presidente da Republica e que no dia seguinte ao jantar iria para Trás-Os-Montes inaugurar um quartel de bombeiros e uma barragem para abastecimento de água à população de Alfandega da Fé. Pouco depois da sobremesa, a minha madrinha Helena Sanches Osório não se fez escusada e chamou-me à parte para me dar um recado profissional: "Tens aqui uma prova de demonstração profissional. Agarra no carro epõe-te a caminho". Assim fiz e não poderia de deixar de obedecer à patriarca da comunicação social da altura.

Sandra Martins.jpg

Como transmontano e duriense, cheguei à terra que me viu crescer já madrugada e cerca das 09:00 horas da manhã já estava em Alfandega da Fé para receber o Presidente da Republica Mário Soares. Depois da primeira inauguração era chegada a hora do almoço, que se não estou em erro foi mesmo nas instalações do bombeiros. Íamos a meio da refeição e na mesa onde nos encontrávamos mais de uma dezena de jornalistas todos falavam em interromper a refeição do PR para dar as entrevistas, para assim estarem atempadamente nas redacções. Outros tempos. Quando me apercebi disse a todos os camaradas: "ainda ontem estive a jantar com ele no Estoril e sei mais ou menos como ele gosta de ser interrompido. Estejam descansados que assim que seja oportuno eu digo-vos". Após alguns minutos era a hora do café; momentoexato. "Levantei-me e dirigi-me à mesa Presidencial, foi fácil; porque os poucos guarda-costas do PR já me conheciam. Quando me abordei dele, ladeado pelos autarcas locais, Mário Soares levantou-se e disse: "Como é que tu já estás aqui se ainda ontem à noite estives-te a jantar comigo no Estoril"? Atitude e palavras do PR que deixaram os presentes atónitos da forma como o PR falava com um jovem estagiário repórter. Apenas respondi que tinha vindo no meu carro. " O Senhor Presidente não se importa de falar com todos os jornalistas presentes"? Resposta afirmativa do PR que antes das perguntas e respostas fez questão de me apresentar aos colegas jornalistas, embora alguns já me conhecessem naquela ocasião.

DSC03024.JPG

 À tarde apenas quatro jornalista estiveram presentes na inauguração da lagoa de abastecimento de água para consumo domestico e rega no concelho de Alfandega da Fé.

Mário Soares um amigo e realmente um "animal político". Obrigado e até sempre.

Acidente com autocarro de emigrantes portugueses matou quatro pessoas.

Quatro mortos e vinte e oito feridos foi o resultado do tragico acidente ocorrido numa estrada de França com emigrantes portugueses a caminho da Suiça.

As vítimas mortais do acidente: José Montez, 59 anos e Lídia Montez, com cerca de 60 anos, naturais de Freixo, Vila Nova de Foz Côa. Graça Murça, com 58 anos, natural de Foz Côa e outro passageiro do sexo masculino, natural de Lousada, concelho de Penafiel.

ng8105834.jpg

Entre os 28 feridos, está Henrique Ângelo, motorista do autocarro filho do proprietário da empresa de transportes Rota das Gravuras, um bebé de dois anos, este em estado grave.

ng8107271.jpg

 A bordo seguiam ainda quatro crianças, com cerca de 10 anos.

Motorista de S. João da Pesqueira convidado para fazer viagem, "não fui porque não tinha o CAM de transporte de passageiros válido". Referiu.

Dos trinta e dois ocupantes do autocarro, todos de nacionalidade portuguesa, nenhum saiu ileso do acidente ocorrido esta madrugada em Lyon – França. Treze dos ocupantes eram do concelho de Penafiel, os restantes naturais de Meda e Foz Côa.  Duas das vítimas mortais eram de Freixo de Numão, aldeia próxima da sede da empresa Rota das Gravuras, em Sebadelhe, concelho de Foz Côa, e outras duas de Penafiel.

ng8106497.jpg

Esta empresa, fundada em 2006, vinha a efectuar transportes regulares entre Portugal e Suíça, em carrinhas e autocarros todos legais e com alvará para o efeito. Prestando ainda serviços de transporte escolar na autarquia fozcoense.

Recentemente tinha havido uma abordagem a um motorista residente em S. João da Pesqueira para efectuar estas viagens, mas por falta de CAM de passageiros não foi possível ao referido profissional da condução prestar serviço à empresa Rota das Gravuras.

Refira-se que foi nesta estrada que, em janeiro de 2015, próximo da cidade de Lyon, morreram treze pessoas, também, todas de nacionalidade portuguesa. Mas desta vez viajavam num transporte ilegal.

Os feridos em estado considerado grave foram transportados para o hospital de Mâcon et Paray-le-Monial, onde nove já tiveram alta.

Já os feridos com menor gravidade foram levados para um ginásio de Charolles, a localidade mais próxima do local do acidente.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D