Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Além Douro Digital

Informação da Região Norte de Portugal

Além Douro Digital

Informação da Região Norte de Portugal

"Na minha terra chamavam-lhes paneleiros"

Um psiquiatra, natural de uma aldeia do Douro a residir no Porto, não deixou de ficar indignado com a postura do bastonário da ordem dos psicólogos ao vir à comunicação social afirmar que iria ser aberto um processo à filiada Maria José Vilaça por esta ter afirmado que as famílias dos homossexuais sofrem como as daqueles que são toxicodependentes. Por motivos obvios o psiquiatra, já aposentado, mas ainda inscrito na Ordem, não quis ver a sua identidade revelada, mas não deixa de mostrar o seu sentido de revolta. "A Republica Portuguesa está entregue aos pomposos gay `s. No meu tempo essa gente era conhecida como paneleiros". Afirma ainda que o Estado português gasta mais com a chamada "transformancia" desses cidadãos que com os doentes renais (hemodiálise). Não sei nem me interessa qual a orientação sexual do Sr Bastonário, Telomo Marinho Monteiro, mas acho que se deveria preocupara mais com os ilícitos cometidos por alguns psicólogos e deixe a liberdade de pensamento e opinião ao critério de cada um". Palavras ditas...

Psicóloga Maria José Vilaça da Associação de

A Psicóloga Maria José Vilaça da Associação de Psicólogos Católicos está a ser alvo de um processo disciplinar onstaurado pela Ordem dos Psicologos por ter afirmado que, "ter um filho homossexual é como ter um filho toxicodependente”.

Maria José Vilaça, responsável da Associação de Psicólogos Católicos (APC), proferiu a afirmação numa entrevista à revista Família Cristã. A declaração surgiu no âmbito de um artigo sobre a “ideologia de género”, onde a psicóloga nota que “para aceitar o filho não é preciso aceitar a homossexualidade. Eu aceito o meu filho, amo-o, se calhar até mais porque sei que ele vive de uma forma que eu sei que não é natural e que o faz sofrer. É como ter um filho toxicodependente, não vou dizer que é bom“, afirmou Maria José Vilaça à revista.
A psicóloga já veio esclarecer, numa publicação no seu perfil do Facebook, que o que quis dizer é que, “perante um filho que tem um comportamento com o qual os pais não concordam, devem na mesma acolhê-lo e amá-lo”.
“Não é uma comparação sobre a homossexualidade mas sobre a atitude diante dela“, diz ainda a psicóloga.
Mas, a Ordem fala em declarações de “extrema gravidade”-
Contudo, mesmo após este esclarecimento, a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) anunciou a abertura de um processo disciplinar a Maria José Vilaça, por considerar de "extrema gravidade as declarações proferidas”.
Numa nota divulgada na Internet, a OPP destaca que vai endereçar o caso ao Conselho Jurisdicional para que este avalie se a psicóloga violou ou não os deveres éticos e deontológicos da profissão.

Bastonário da Ordem dos Psicólogos, Telmo Mourin

 

Apontando que recebeu “dezenas de queixas” e sublinhando que a psicóloga falava “a título profissional”, a OPP também sustenta que “não se revê nas afirmações proferidas”.

“As declarações não apresentam qualquer tipo de base científica e contrariam a defesa dos direitos humanos, da evolução e equilíbrio social e dificultam a afirmação dos psicólogos na sociedade”, constata ainda a OPP.
Para quando o Sr Bastonário vir esclarecer se também abriu um processo à psicóloga, com escritório na Régua, que emitiu exames da especialidade a bombeiros sem que estes alguma vez tenham estado presentes com a dita psicóloga! Será que este caso é para esquecer nas calendas do Ministério Publico da Régua, mesmo depois do trabalho que a PJ de Vila Real teve? Os antão, na altura ainda em liberdade de movimentos, agora arguidos no processo dos "visto gold", tinham muita força e será que conseguiram proteger os seus imediatos e pressionaram o MP a arquivar o processo? Poderá o Senhor Bastonário vir a publico informar o andamento deste processo judicial ou mesmo o da Ordem dos Psicologos!? Aguardamos há 4 anos por resultados.

Produtos do agricultor.jpg

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D